A cama de todo paulistano: a história da Patente

Pode o projeto de uma cama fazer tanto sucesso a ponto de dois talentosos homens brigarem por ela e seu nome ser uma “ironia” ao que perdeu a ideia? Pode, o pior é que pode. A história da difusão e registro da famosa Cama Patente prova isso. Vamos ao que aconteceu.

Segundo muitos pesquisadores de bom calibre, a cama patente foi desenvolvida pelo marceneiro radicado no Brasil, Celso Martinez Carrera, na cidade de Araraquara. Ele chegou ao local em 1909 e, em 1915, desenvolveu o projeto que mudaria sua vida e o sono de muitos brasileiros, em especial, os de São Paulo.

Carreira era um herdeiro da arte do artesanato. Sabia manipular os materiais como poucos e seus móveis eram de grande qualidade e riqueza de detalhes. Até aqui, sabemos que todos esses detalhes são fatos, mas a história se embola um pouco de 1915 para frente.

Existem “estórias” de que a cama fora projetada para substituir as camas de ferro dos hospitais, que eram de difícil importação graças à 2ª Guerra Mundial. Carrera, então, dedicava-se a esse tipo de produção e a fazer móveis mais simples e mais baratos para a população.

Entretanto, é mais ou menos nesse momento que chega à história Luigi Liscio, italiano que desembarcou no Brasil em 1894. Percebendo que Carrera não havia PATENTEADO a ideia (daí o nome Cama Patente), fez o registro como sendo dele a invenção e, dessa maneira, Carrera teve que parar a fabricação de seus móveis.

Assim, a Indústria Cama Patente L. Liscio foi fundada em Araraquara em 1919 e, no mesmo ano, se transferiu para o bairro do Bom Retiro, onde funcionou até 1968.

Apesar desse tumulto em sua origem, é inegável que os móveis se tornaram símbolos em várias casas da cidade, em especial das nossas avós, que já contavam com os pisos de caquinhos, cobogós, entre outros detalhes. 

Exposição Cama Patente, no Sesc Araraquara, em 2011

Outra curiosidade dessa história é a de que a empresa de Liscio ainda teve um clube de futebol, o Esporte Clube Cama Patente, que foi fundado na data de 14 de dezembro de 1927, sua sede era situada na Rua Rodolpho Miranda, no bairro do Bom Retiro.

O time disputou o campeonato paulista da 2ª Divisão em quatro ocasiões, nos anos de 1932, 1933, 1934 e 1935.

Referências: https://historiadofutebol.com/blog/?p=92580

https://delas.ig.com.br/casa/servicos/101-anos-de-historia-do-design-nacional/n1237698142864.html

https://lembrasp.blogspot.com/2018/08/industria-cama-patente

https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/12.047/3991

10 comentários em “A cama de todo paulistano: a história da Patente

  • 17 de abril de 2020 em 16:46
    Permalink

    E pensar que tenho duas camas dessas aí, que eram da casa da minha sogra. Devem ter mais de 80 anos.

    Resposta
    • 18 de junho de 2020 em 08:44
      Permalink

      Faltou informações importantes sobre a fábrica de móveis Faixa Azul, onde era fabricada as camas parentes que eram montadas no Bom Retiro. Procure pelo Bairro Vila Elvio (fundado por Luigi Liscio) que fica na cidade de Piedade. A fábrica, a vila de funcionários e a usina eletricia existem até hoje e ainda em funcionando. Aliás, o nome Elvio vem do filho de Luigi Liscio que faleceu ainda criança.

      Resposta
      • 27 de julho de 2020 em 07:38
        Permalink

        Na capital, tem um bairro, Jardim Patente, no Ipiranga. Lá tem a rua Luiz Lúcio, que era o antigo proprietário daquelas terras. Morei lá.

        Resposta
  • 14 de maio de 2020 em 16:31
    Permalink

    Essa cama é famosa no Brasil. Eu era bem menino e via essa cama em várias casas. La se vão uns 68 anos.

    Resposta
  • 16 de junho de 2020 em 21:29
    Permalink

    Por favor, façam correção no artigo, no ano citado no começa do artigo (1915), foi.o período da 1a.Guerra Mundial, e não a segunda, como descrito, que só veio a explodir em em 1939 (quase 25 anos depois).

    Resposta
  • 18 de junho de 2020 em 22:59
    Permalink

    A fábrica da cama patente ficava no interior paulista, na cidade de Piedade, no bairro da Vila Elvio, na capital era o escritorio de vendas. A fabrica ainda esta funcionando e hoje fabrica móveis de bares, restaurantes e banco de igrejas. Visite no facebook Roteiro Turistico da Vila Elvio e agende uma visita!

    Resposta
    • 27 de julho de 2020 em 21:24
      Permalink

      Que história desse tipo de cama que existiu há uns 68 anos atrás. Como fiquei numa instituição aqui em Sampa/bairro prox à Igreja São Judas Tadeu na Av Jabaquara prox tbm ão Aeroporto de Congonhas, as camas eram desse tipo pra 350 Crianças. São duradoras e tem umas duas delas que ficaram pra lembrança, exposta no Museu que foi feito.

      Resposta
  • 26 de julho de 2020 em 20:34
    Permalink

    Celso Martinez Carrara foi que idealizou e produziu as camas. Ele era um imigrante galego e por falta de experiência ou ingenuidade, não Patenteou a cama. O outro imigrante, o senhor italiano, aproveitou-se da ocasião e patenteou o móvel em seu nome. Fez fortuna enquanto o galego verdadeiro inventor não teve êxito financeiro.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *