Uma Vida Dedicada À Arquitetura – A Vida e Obra de Christiano Stockler Das Neves

O estado de São Paulo tem, por natureza, o dom de gerar talentos para todo o nosso país. E com Christiano Stockler não foi diferente.

Arquiteto e professor, ele começou seus estudos no curso de engenharia e arquitetura oferecido pela Escola Politécnica de São Paulo no ano de 1907, mas, insatisfeito com o ensino, se transferiu para os Estados Unidos com a intenção de frequentar o Instituto de Belas Artes da Universidade da Pensilvânia.

Christiano Stockler das Neves
Christiano Stockler das Neves

Essa escolha, aliás, foi considerada bastante incomum para a época. Durante o começo dos anos 1900, a Europa era a grande referência para os arquitetos do mundo todo. Estima-se que essa decisão foi tomada com base em uma sugestão do engenheiro-arquiteto George Krug que, por sinal, era tio de Anitta Malfatti.

Após algumas tentativas, foi admitido no instituto em 1909 após comprovar seu ingresso na Polli, realizar diversos exames de proficiência de desenho à mão livre  e provar seus conhecimentos na história da arquitetura.

Aluno exemplar, Stockler se formou em 1911 e realizou uma viagem de seis meses pela Europa, etapa considerada fundamental para a formação dos arquitetos. Logo depois, em 1912, voltou para o Brasil e integrou-se ao escritório de seu pai,  Samuel das Neves, um dos mais prestigiados da época na cidade de São Paulo.

Logo após sua volta, se tornou professor da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 1915, sua maior ideia, o projeto da criação de uma faculdade de arquitetura foi apresentado à direção do Mackenzie.

A ideia de Stockler era criar um instituto nos moldes do que ele estudou, nos Estados Unidos. A diretoria do Mackenzie gostou da ideia e, em 1916, foi criado experimentalmente um departamento de arquitetura dentro da Escola de Engenharia.

O sucesso foi imediato e o curso de engenharia e arquitetura foi oficializado em 1917 e Christiano foi o primeiro diretor. O curso é separado da Escola de Engenharia em 1947, com a criação da Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie, a primeira faculdade do gênero no estado de São Paulo. Neves permanece no cargo de diretor e professor de composição até 1957, quando se aposenta.

Nessa mesma época, em 47, ele foi indicado pelo governador de São Paulo, Adhemar de Barros, para ser o 24° prefeito da cidade. Nesse cargo, ele não conseguiu obter sucesso.Ele conseguiu instituir a Comissão do Plano Diretor e criação do Departamento de Arquitetura e a Companhia Municipal de Transportes Coletivos – CMTC, que já havia sido idealizada e decretada pelo prefeito Abrahão Ribeiro.

Poucas semanas após a criação da companhia, ele ordenou o aumento do valor da tarifa, que estava estagnado há 36 anos, gerando protestos tão intensos que acabou destituído do cargo em agosto do mesmo ano.

No ano de 1948, seu nome ficaria famoso por ser contrário ao projeto apresentado do Parque do Ibirapuera como o conhecemos hoje. Para Stockler, o Parque do Ibirapuera deveria ser uma criação artística.

Considerando também o caráter plano da superfície do Ibirapuera, ele justificou sua contrariedade ao projeto em um longo texto falando das características do projeto e, por conseguinte, sua opinião sobre os jardins ingleses, franceses e italianos, os quais seriam incorporados em sua proposta para o parque.

Apesar dos esforços de Christiano Stockler das Neves, Cicillo Matarazzo, presidente da Comissão do IV Centenário, com o apoio político que recebeu do Prefeito e do Governador, conduziu à composição da Equipe de Planejamento, que idealizou um estudo completamente contrário ao apresentado por Stockler das Neves, inaugurando uma nova forma de se pensar o urbanismo e a arquitetura proposta para o parque.

Após essa passagem frustrada pela prefeitura e do infrutífero esforço para mudar o Ibirapuera, ele resolveu voltar suas lutas aos profissionais de arquitetura. Stockler participaria ativamente da criação dos órgãos de representação de classe, entre eles o Instituto Central dos Arquitetos, em 1921, no Rio de Janeiro, do qual é sócio-fundador, e o Instituto Paulista de Arquitetos, em 1930, sob sua direção.

Em 1927, a Estação de Ferro Sorocabana, 1922, atual Estação Júlio Prestes – Sala São Paulo, com projeto de sua autoria, recebe o prêmio de honra do 3º Congresso Pan-Americano de Arquitetura, realizado em Buenos Aires. Em 1930, sua obra é recebe medalha de ouro no 4º Congresso Pan-Americano de Arquitetos, no Rio de Janeiro.

Estação Sorocabana, obra de Stockler
Estação Sorocabana, obra de Stockler

Além dessa grande obra, Stockler foi o responsável pelos projetos do Museu de Zoologia da USP e do Edifício Sampaio Moreira, considerado o predecessor dos arranha-céus da cidade de São Paulo.  Vale o destaque que o edifício do Museu de Zoologia foi o primeiro da cidade a ser projetado com esse objetivo.

Edifício Sampaio Moreira na década de 20
Edifício Sampaio Moreira na década de 20

2 comentários em “Uma Vida Dedicada À Arquitetura – A Vida e Obra de Christiano Stockler Das Neves

  • 25 de outubro de 2014 em 18:44
    Permalink

    Brasil, país onde cada vez vez mais a verdade é só detalhe e ser bom no que faz é uma ofensa pessoal, não conhecemos tais nomes. Não só por São Paulo, mas por todos os cantos da nação há um povo criativo e empreendedor. Muito ajuda quem não atrapalha, dizia o ditado. Pena que para atrapalhar o sucesso de tão belo povo hajam tantos.

    Resposta
  • 29 de julho de 2015 em 06:58
    Permalink

    Salvo engano, creio que a imagem colorida, legendada como sendo um esboço para o parque do Ibirapuera, em verdade refere-se à marginal Tietê, altura da ponte das bandeiras.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *