O Copo do Brasil: A História do “Copo Americano”

No último dia 20 de outubro uma das maiores tradições do nosso país comemorou 70 anos de vida. Trata-se do famosíssimo copo desenhado por Nadir Figueiredo, o “copo americano”, ideia nascida e cultiva na cidade de São Paulo.

Seu design foi idealizado pensando em um produto difícil de ser quebrado, fácil de segurar e que fosse barato. A ideia deu certo e, com certeza, não há no país uma padaria, bar ou restaurante que não use esse tipo de utensílio.

A capacidade oficial é de 190 mililitros, mas a Nadir Figueiredo já produz outros tamanhos do ícone. No site da empresa, além do tradicional, encontramos copos americanos de 40 mililitros, de 300 e até de 450 mililitros, bom pra quem gosta de doses generosas de cerveja, mas não abre mão do formato confortável do copo. O copo americano é considerado também um símbolo do design nacional. Em 2009, foi exposto no Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York, entre outros setenta produtos que representavam o estilo de vida dos brasileiros.

Mas e a história?

Antes de falarmos do copo, vale fazer um resuminho da Nadir Figueiredo. Ela existe há 105, completados em 2017, e sempre foi 100% brasileira. Começou, em 1912, no Cambuci e, em 1935, mudou-se para o Belém. Anos depois, em 1946, foi para a Vila Maria, berço do copo americano. Atualmente, a fábrica é em Suzano, na Grande São Paulo.

O copo foi concebido pelo próprio Nadir Dias de Figueiredo (1891-1983), co-fundador da empresa, que pensou em criar um produto multiuso e de baixo custo. O nome “americano” fazia alusão ao maquinário usado para produzir as primeiras unidades, importado dos Estados Unidos. Hoje, no entanto, as máquinas são brasileiras. É importante dizer que, desde sua criação, há setenta anos, foram produzidos mais de 6 bilhões de copos americanos.

scan acervo nadir figueiredo_0041

Nos anos 90 este ícone foi eleito o melhor copo para se tomar cerveja do Brasil. O copo se tornou parte integrante do dia a dia dos brasileiros que passou a ser utilizado como padrão de medida para receitas, bolos, soro caseiro e até medida de sabão em pó.

A evolução da produção do copo reflete o desenvolvimento da empresa ao longo dos 100 anos de vida. Em 1947, a empresa produzia 2 copos por minuto; em 1965 esse número saltou para 60 copos por minuto, e assim, sucessivamente, até atingir a atual marca de 480 copos por minuto.

scan acervo nadir figueiredo_0039

Vendido a aproximadamente R$ 1 real em supermercados, atacadistas e distribuidores, o copo já se tornou item indispensável para servir um bom “pingado”, uma dose de cachaça ou uma cerveja bem gelada. No mercado de atacadistas é conhecido simplesmente por “copo” ou “2010”, que é o seu código de referência interna na NADIR FIGUEIREDO.

Curiosidades

– Fabricado com exclusividade pela Nadir Figueiredo, é o copo mais vendido no país. Em 2010 atingiu a estratosférica cifra de 6.000.000.000 de unidades produzidas, que pesariam um total de 630 milhões de toneladas, que enfileiradas chegariam a 402 mil km, ou 10 voltas na Terra;

Credito Romulo Fialdini I
Crédito: Romulo Fialdini

 – São encontrados em todos os cantos do Brasil, de norte a sul, leste a oeste. Estão nas casas, padarias, botecos, bares e restaurantes por serem bonitos, versáteis e práticos;

– Nas cozinhas, servindo de medidor de ingredientes, tornam-se companheiros inseparáveis de quem elabora receitas gourmets. É referência em saúde pública quando se fala em soro caseiro;

– Suas linhas simples e elegantes chamaram a atenção de observadores atentos que o elegeram como um dos itens mais representativo do design brasileiro. Daí para o mundo foi um pulo. Há vários anos integrou a coleção de objetos de design do Moma, o Museu de Arte Moderna de Nova York;

scan acervo nadir figueiredo_0037

– Artistas plásticos e designers estão sempre inventando obras que utilizam o copo americano. Luminárias, vasos, esculturas que tem o copo como elemento ou suporte são apresentados constantemente em mostras e exposições.

Referências:  https://vejasp.abril.com.br/blog/memoria/o-aniversario-de-um-icone-o-copo-americano/#

http://mundodasmarcas.blogspot.com.br/2012/10/nadir-figueiredo.html 

O nosso muito obrigado a assessoria de imprensa da Nadir que, gentilmente, nos enviou as fotos dos anúncios e outras fotos que fazem parte dessa matéria.

Veja também

8 comentários em “O Copo do Brasil: A História do “Copo Americano”

  • 28 de outubro de 2017 em 10:55
    Permalink

    Fico feliz em saber que ao lado da caipirinha e da coxinha o copo americano é um produto paulista que ganhou o Brasil.

    Resposta
  • 28 de outubro de 2017 em 21:48
    Permalink

    Excelente pesquisa. É importante saber de nossos produtos, designers, funcionalidade, desafios. Parabéns!

    Resposta
  • 29 de outubro de 2017 em 07:24
    Permalink

    Em Belo Horizonte, se chama copo lagoinha.

    Resposta
  • 30 de outubro de 2017 em 15:55
    Permalink

    Sempre gostei do copo para cerveja, cachaça e até para cafezinho. Só não gosto do nome. Após a leitura do texto didático, sugiro passarmos a chamá-lo de copo de CERVEJEIRO.

    Resposta
    • 3 de novembro de 2017 em 16:07
      Permalink

      Do pinguço… Cervejeiro faz questão de tomar na tulipa. Dentre as da Nadir, os cervejeiros gostam muito da Floripa, código 7732.

      Resposta
  • 30 de outubro de 2017 em 17:23
    Permalink

    Os apreciadores de cerveja dizem que o volume de 190 ml é o ideal uma vez que essa é a quantidade de liquido a ser ingerido antes de começar a esquentar no copo através da troca de calor com o ambiente.

    Resposta
  • 2 de novembro de 2017 em 09:41
    Permalink

    Em Belo Horizonte é conhecido como copo Lagoinha, uma alusão ao bairro boêmio da cidade.

    Resposta
  • 1 de dezembro de 2017 em 09:11
    Permalink

    Bela reportagem! Parabéns.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: