O combate à peste bubônica: a criação do Butantan

A história de um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo, o Instituto Butantan, começa com uma das mais graves crises de saúde pública da história do estado de São Paulo.

Para compreender como a peste bubônica aterrorizou São Paulo no final do século XIX e no começo do século XX, é preciso entender um pouco do contexto da época. Na época, como todos devem saber, as viagens de navio eram o método mais fácil para viajar entre continentes e, além disso, era a maneira utilizada para o transporte de cargas.

Com isso, em 1899, Oswaldo Cruz, que acabara de voltar da França, foi convidado a integrar uma comissão da Diretoria Geral de Saúde Pública (DGSP) que tinha como objetivo estudar um número elevado de mortes de ratos, que foi constatada após a  chegada de um navio que trouxera imigrantes portugueses ao porto de Santos.

correiopaulistano-1899-dezembro-5Contudo, as pesquisas não demoraram a mostrar seus resultados: Adolfo Lutz e o pesquisador Vital Brazil, que nada tem a ver com o arquiteto, chegaram à conclusão que a peste bubônica havia chegado ao Brasil. Oswaldo Cruz apoiou o diagnóstico e permaneceu na cidade de Santos por mais algum tempo, combatendo a doença e tomando medidas para evitar que ela se alastrasse, levada por navios, para outros portos brasileiros.

Nesse momento da história, Vital Brazil foi acometido pela doença ao realizar uma autópsia, cabendo a Oswaldo Cruz cuidar do colega. Apesar do medo em também se contaminar, as medidas deram certo e os dois puderam se unir no combate à grave epidemia. Assim como Vital Brazil, ele próprio se contaminou, mais de uma vez, pela peste bubônica.

Da esquerda para a direita Bonilha de Toledo, Vital Brazil e Arthur Mendonça.
Da esquerda para a direita Bonilha de Toledo, Vital Brazil e Arthur Mendonça.

Ambos conseguiram se curar graças à soroterapia antipestosa — que poderia ter salvado muitas outras vidas, em Santos e ao redor do mundo, se o soro específico não fosse, àquela altura, fabricado apenas no Instituto Pasteur de Paris, e em quantidades insuficientes para atender à população.

Para resolver o problema no país, as autoridades criaram dois institutos: o Instituto Soroterápico Federal, no Rio e, na capital paulista, o laboratório do Instituto Bacteriológico converteu-se em Instituto Soroterápico do Estado de São Paulo, depois Instituto Butantan.

Vale o destaque que a proposição para que fosse criado um Instituto em São Paulo partiu de ninguém menos do que Emílio Marcondes Ribas, o homem que combateu a Febre Amarela na nossa cidade.

A Escolha do Local E O Começo Da Solução

O então presidente do Estado de São Paulo, Fernando Prestes, aceitou de imediato a ideia de Ribas e designou que ele, juntamente a Adolfo Lutz, Oswaldo Cruz e Vital Brazil, escolhessem o melhor lugar para a instalação desse novo laboratório.

Em dezembro do ano de 1899, a fazenda em Butantan foi escolhida como o centro de produção das vacinas e imunização dos cavalos produtores de soros preventivo e curativo contra a terrível peste bubônica. Vale destacar que a localização da fazenda foi pensada para ficar longe do pavor da população. Sendo assim, escolheram aquela fazenda que, na época, ficava a distantes 9 quilômetros do centro da capital.

O médico Adolpho Lutz ficou encarregado da organização do laboratório soroterápico que funcionaria como uma dependência do Instituto Bacteriológico, do qual era diretor.  Pouco depois, em janeiro de 1900, Lutz requisitou cavalos do esquadrão de cavalaria para dar início à imunização de animais.

No dia,  26 de junho, enviou ao diretor do Serviço Sanitário uma “relação das cobras venenosas observadas entre nós”, já dando indícios daquele ramo de atividade que distinguiria o futuro Instituto Butantan das outras instituições de pesquisa do Brasil.

Em pouco mais de um ano, o laboratório ganhou autonomia, recebendo autorização e como uma nova atribuição fabricar soros e vacinas requeridos pelo Serviço Sanitário do Estado de São Paulo, ao qual era diretamente subordinado.

 Instituto do Butantan em 1915. Foto de Guilherme Gaensly e do  IMS.
Instituto do Butantan em 1915.
Foto de Guilherme Gaensly e do IMS.

No dia 23 de fevereiro de 1901, pelo decreto nº 878-A, o laboratório soroterápico desligava-se do Instituto Bacteriológico passando a chamar-se Instituto Serumterápico do Estado de São Paulo. Nesse mesmo dia, nomeava-se diretor Vital Brazil e ajudante Abdon Petit Guimarães Carneiro.

Com Vital Brazil no comando, o Instituto começou a organizar o estabelecimento e a preparar a vacina e o soro contra a peste bubônica. Como as instalações eram precárias e impróprias, ele mandou construir uma cocheira-enfermaria para os cavalos, um alpendre para sangria e um pequeno pavilhão para colheita, distribuição e acondicionamento dos soros.

Com isso, além de controlar a epidemia, os médicos entravam para a história ao demonstrar a importância da microbiologia para a medicina mundial. A partir dos estudos pioneiros de Pasteur e do Instituto parisiense que levava seu nome, a medicina experimental espalhou-se pelo mundo.

Era cada vez mais comum a cura para as diversas doenças serem buscadas nos laboratórios e não nos hospitais. No Brasil, sua influência se fez sentir pela atuação dos médicos fundadores dos institutos de pesquisa, como o Butantan.

Uma Pequena Mudança de Foco E  A Dedicação Aos Soros Antiofídicos

A grande fama do Butantan em produzir vacinas contra venenos de cobras vem de 1897, quando Vital Brazil, ainda como ajudante do Instituto Bacteriológico do Estado de São Paulo, se dedicava com grande interesse ao ofidismo, o estudo dos venenos das cobras, em particular das existentes no Brasil.

O pesquisador se beneficiou da divulgação dos primeiros trabalhos de soroterapia que o orientaram no desenvolvimento de suas pesquisas para a produção de um soro contra o veneno das serpentes brasileiras.

Quando o pesquisador brasileiro começou a trabalhar nessa área, Albert Calmette demonstrava na França que o veneno ofídico, assim como as bactérias, era capaz de provocar anticorpos no organismo.

 Esta descoberta do cientista francês forneceu a chave para que Vital Brazil desenvolvesse o tratamento para o envenenamento causado pelas picadas de cobras e, indo mais além, demonstrasse a especificidade dos venenos e dos soros. Pode-se dizer, portanto, que a utilização da soroterapia no tratamento dos acidentes ofídicos se deveu aos dois cientistas.

Ao assumir a direção do Instituto Serumterápico do Estado de São Paulo, Vital Brazil continuou, paralelamente ao preparo do soro antipestoso, com seus estudos sobre ofidismo. Em 11 de junho de 1901, entregava para consumo os primeiros tubos de soro antipestoso e dois meses depois os tubos dos soros antipeçonhentos, em especial o antiofídico, mistura de dois soros: o antibotrópico, contra o veneno da jararaca, e o anticrotálico, para tratamento do veneno da cascavel. Um grande avanço para a medicina da época.

As primeiras vacinas e soros fabricados em Butantan, nos primeiros anos, eram distribuídos em São Paulo para o Hospital de Isolamento, o Instituto Bacteriológico do Estado, a Diretoria do Serviço Sanitário e enviados também para o Rio de Janeiro, Paraná, Ceará e até para Londres.

No ano de 1903, os soros antipeçonhentos eram mandados, além da capital e do interior paulistas, para o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Bahia, Ceará, Rio Grande do Sul e Estados Unidos da América.

No final do mesmo ano Vital Brazil ganhou como prêmio por suas investigações uma viagem para a Europa, onde permaneceu um ano. Na sua volta, passou a pedir ao governo um aumento de verbas para a construção de novas instalações e contratação de mais pessoal.

De 1906 em diante, a produção do soro antipestoso diminuiu progressivamente em função do controle das epidemias, enquanto os soros antipeçonhentos e o antidiftérico iam tornando-se os principais produtos do Instituto.

Os pedidos do grande cientista começaram a ser atendidos com a contratação de mais um ajudante em 1907, mas foi na década de 1910 que o Instituto passou por maiores transformações.

O Presidente Theodore Roosevelt (EUA) em visita ao Instituto Butantan, 1913.
O Presidente Theodore Roosevelt (EUA) em visita ao Instituto Butantan, 1913

Nesse período começou a construção de um novo prédio, conhecido como Laboratório Central, inaugurado em 1914.

A partir de então, o Instituto produzia a vacina e o soro antipestoso, os soros antidiftérico, antiofídico, anticrotálico, antibotrópico e antitetânico, e a tuberculina diluída.

Além disso, outras pesquisas estavam em andamento, como: os soros anticolérico, antimeningocócico, antiestafilocócico, antiestreptocócico, antiescorpiônico, soros aglutinantes diversos, vacina anticarbunculosa e outros; além de estudos sobre a sistemática e biologia das serpentes, aracnídeos e suas diferentes peçonhas e sobre os insetos sugadores.

Uma Grande Remodelação

Como as grandes descobertas feitas, no ano de 1917 começaram a acontecer grandes mudanças estruturais na instituição. Com o ingresso de Arthur Neiva na direção do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo, no ano anterior, o Instituto Serumterápico se tornou objeto de uma série de reformulações.

O Instituto sofreu uma “reviravolta”. A ideia era que o Instituto Soroterápico de Butantan deixasse de ser visto apenas como uma instituição produtora de imunizantes para debelar possíveis epidemias e passasse a ser considerado uma agência central na execução de diversas ações de saúde pública.

Com a reforma empreendida por Arthur Neiva, a entidade passou a denominar-se Instituto Soroterápico de Butantan. Apesar de não ter suprimidas suas atividades de pesquisa e produção de soros na área do ofidismo, suas novas atribuições, em especial a produção de medicamentos para comercialização, de certa forma, comprometiam o perfil da instituição que vinha sendo moldado por Vital Brazil desde sua fundação.

Serpentário do Butantan
Serpentário do Butantan

Esta tentativa de Neiva em dar nova identidade ao Instituto, pela ampliação de suas atividades e atribuições, teria sido o motivo do afastamento de Vital Brazil que, oficialmente, se aposentou em 1919.

A Crise do Butantan

A saída do diretor Vital Brazil, acompanhado por renomados técnicos do Instituto, gerou uma crise dentro do Butantan. Vital Brazil fundou em Niterói, no Rio de Janeiro, um instituto particular que levava o seu nome, contando com o apoio do Presidente do Estado, Raul de Morais Veiga, que lhe concedeu o terreno e uma subvenção em troca do compromisso de fabricar vacina anti-rábica e de realizar exames bacteriológicos para a Inspetoria de Higiene e Saúde Pública.

Assim, quatro dos oito pesquisadores assistentes do Butantan, Dorival de Camargo Penteado, Octávio de Morais Veiga, Arlindo Raymundo de Assis e Joaquim Crissiúma de Toledo, deixaram o Butantan com seu fundador e diretor.

No mesmo ano de 1919, faleceu João Florêncio Gomes, o assistente mais apto a assumir a direção do Instituto. Do quadro anterior permaneceram apenas o botânico Frederico Carlos Hoehne, o químico Paulo Alberto de Araújo e Afrânio Pompilio Bransford do Amaral. A crise desorganizou os serviços e afetou as finanças do Instituto pela diminuição dos produtos comercializados.

Primeiro Laboratório para preparo dos soros no Instituto Butantan
Primeiro Laboratório para preparo dos soros no Instituto Butantan

Vendo que toda sua obra poderia ir por água abaixo, Vital Brazil voltou ao Butantan em setembro de 1924 com contrato de quatro anos a convite do Presidente do Estado Carlos de Campos.

No ano seguinte, o decreto nº 3.876 de 11/07/1925, uniu os Institutos Bacteriológico, Soroterápico e Vacinogênico em “uma seção única do Serviço Sanitário, sob a direção de um mesmo profissional”.

Os três institutos reunidos passaram, então, a ser designados pelo nome de Instituto Butantan, funcionando no mesmo local. Com a fusão, a entidade passou a ter como atribuições, além da produção dos soros e vacinas para defesa sanitária, os exames bacterioscópicos, bacteriológicos e o preparo da vacina jenneriana contra a varíola.

2 thoughts on “O combate à peste bubônica: a criação do Butantan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *