O Bairro dos Gafanhotos Verdes – A História do Tucuruvi

Um dos bairros mais tradicionais da zona norte de São Paulo, o Tucuruvi, possui uma curiosa história de surgimento e ocupação territorial. Em uma belíssima matéria do Diário da Zona Norte, justificativas são apresentadas para a denominação “Tucuruvi”. A primeira, e mais aceita por pesquisadores, é a de que o nome tem origem do tupi e significa gafanhoto verde, em referência às grandes pastagens de gado que fazem parte da região e ofereciam o habitat ideal para esse tipo de inseto.

Outra versão diz que a primeira vez que Tucuruvi apareceu de maneira oficial foi em uma escritura de compra e venda de uma área, sendo que esse documento é datado de 1856. Existem, também, outras possibilidades de denominação, como o nome ser derivado da palavra Taquaravi que, também em tupi, significa taquara verde, vegetação típica da região. Dizem, também que, o nome pode vir dos chamados “tocos ruivos”, já que as propriedades eram demarcadas por tocos com a cor amarelo ouro e, com o tempo, ficavam ruivos em decorrência do sol e chuva.

Diante desse gostoso dilema de onde surgiu a denominação do bairro, vamos à história de sua ocupação. Quando as primeiras pessoas decidiram morar na região, a paisagem era a de campos verdes imensos que deram origem a sítios e fazendas. As mais famosas eram as de Lavrinhas, Pedregulho e Tapera Grande e, o primeiro núcleo urbano de povoamento, é datado de 1903 quando o famoso inglês Willian Harding comprou a fazenda Itaguaravi, na região atualmente conhecida como Parada Inglesa.

Nove anos depois dessa compra ele fundou a Villa Harding, onde foi construída sua linda casa que ficou conhecida como Palacete Anglo-Parque. Era localizado no topo da colina na antiga Avenida Pires do Rio, o que proporcionava aos visitantes um lindo panorama da cidade de São Paulo. Infelizmente, com o passar dos anos, esse palacete acabou sendo demolido (década de 70), não restando muito da memória do bairro. Hoje, no local do antigo palacete, está a sede da Prefeitura Regional de Santana/Tucuruvi/Mandaqui.

Palacete Anglo-Parque na antiga Av. Pires do Rio. Hoje a atual Avenida Tucuruvi.

Com o passar dos anos e a chegada de mais pessoas o bairro, naturalmente, foi perdendo sua característica rural e foi se transformando em uma área urbana. A chegada do Trem da Cantareira, em 1913, também contribuiu para que a paisagem mudasse, afinal, pequenos prédios comerciais começaram a ser erguidos devido às necessidades que foram aparecendo. Isso, claro, contribuiu para aumentar ainda mais a quantidade de pessoas que moravam pelo Tucuruvi.

Uma histórica e curiosa informação é a de que em 16 de agosto de 1914, Claudino Ignácio Joaquim vendeu o sítio Lavrinhas para o Henrique Mazzei que dividiu os 500 mil metros quadrados em lotes de 10×40 e 10×50 e os vendeu em pequenas prestações, compondo um gigantesco lote de terras disponíveis para que novas moradias aparecessem na ZN de São Paulo.

Estação de Trem Tucuruvi nos anos de 1950.

Atualmente, o Distrito de Tucuruvi (denominação instituída  pelo Decreto nº 6618 de 21 de agosto de 1934) é formado pelos bairros: Tucuruvi; Parada Inglesa; Vila Gustavo; Vila Mazzei; Jardim França e Jardim Barro Branco. O distrito abriga a sede da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, que fica no bairro do Jardim Barro Branco, em mesmo local o Hospital Militar e o Presídio Militar Romão Gomes. A estação terminal Tucuruvi do Metrô, ocupa um local próximo onde antes foi a estação de Trem da Cantareira, tendo um de seus acessos em frente à Colina do Tucuruvi, local onde existiu o palacete do inglês William Harding e primeiro núcleo povoamento do bairro, que hoje sedia em novo prédio, a Subprefeitura Santana – Tucuruvi.

Curiosidades

– A primeira missa do bairro foi celebrada no dia 4 de maio de 1918. Em 6 de outubro do mesmo ano foi lançada a pedra fundamental da Igreja do Menino Jesus do Tucuruvi, um dos símbolos do bairro;

– Também em 1918 foi fundada a Escola Noturna da Associação Beneficente do Tucuruvi;

– A primeira escola pública do bairro foi fundada em 1922, a Escolas Reunidas do Tucuruvi e, seu primeiro diretor, foi Nestor Pereira Leite;

– O primeiro cinema do bairro foi inaugurado em 14 de novembro de 1925, o Cine Teatro Rio Branco;

– O Cine Tucuruvi foi inaugurado em 22 de fevereiro de 1941;

–  No dia 1° de dezembro de 1913 entrou em operação a Estação do Trem Tucuruvi.

Referências: Portal Diário da Zona Norte

Estadão

Prefeitura de São Paulo

3 comentários em “O Bairro dos Gafanhotos Verdes – A História do Tucuruvi

  • 28 de Maio de 2015 em 15:57
    Permalink

    Gostaria muito que vocês publicassem fotos e histórias do bairro Cambuci, se houver material. O Cambuci é o bairro onde passei minha infância e adolescência. O grupo escolar Oscar Thompson, que começou no Lgo. do Cambuci esquina com a R. Luís Gama e foi transferido para a sede nova, construída na Av. Lins de Vasconcelos; o antigo cine Riviera também na Av. |Lins de Vasconcelos, que virou igreja evangélica, onde houve um desabamento da antigas estrutura do teto. Outro ícone da Av. Lins de Vasconcelos era o Balneário do Cambuci, onde a piscina era disputadíssima no verão pelos jovens. Outras tantas histórias desse antigo e maravilhoso bairro merecem ser lembrados. Agradeço a atenção.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *