O Bairro Suíço de São Paulo – A História do Lauzane Paulista

História de São Paulo

Um dos bairros mais tradicionais de São Paulo, o Lauzane Paulista, carrega uma curiosa história na origem do seu nome. Apesar de comemorar mais de 90 anos de história, o Lauzane tem seu surgimento muito antes de 23 de outubro de 1924.

Sua trajetória começa com uma grande propriedade de terra no distrito do Mandaqui, quando em 1870, as terras foram compradas pelo casal Pedro Gabone e Fransica Bocaccio, um francês e uma italiana, respectivamente.

A grande fazenda dos dois possuíam vários sítios menores e, registros de 1917, dão conta que uma dessas áreas pertencia a Alberto Savoy, um suíço nascido na cidade de Lousanne. Estima-se que suas terras, que tinham 65 alqueires, iam da Estrada do Bispo, atual Avenida Conselheiro Moreira de Barros, até a Avenida Parada Pinto.

Anos depois, quando Savoy decidiu que era o momento de se desfazer de suas terras, a empresa Francisco Amaro e Cia. acabou adquirindo o lugar que, depois, a dividira em lotes ainda menores. A história conta que Francisco Amaro era muito amigo de Savoy e, em sua homenagem, nomeou a região com o nome de Lauzane.

Vale a menção que o bairro possui o tradicional Clube Lausanne Paulista, fundado em março de 1927, que sobrevive até hoje. A linda Paróquia Santo Antônio do Lauzane também é uma das referências da região.

Paróquia Santo Antônio do Lauzane
Paróquia Santo Antônio do Lauzane

A partir da década de 60, a região do norte da cidade começou a se desenvolver. Em 1969, a primeira linha de ônibus, com ponto final na Praça da República, chegou ao Lauzane. Anos depois, em 1973, foi inaugurada a primeira escola municipal, chamada Marcos Mélega.

Durante os anos 70, aliás, havia uma represa na região, que surgiu após várias e sequenciais detonações de dinamite em uma pedreira, que fornecia material para o calçamento da cidade de São Paulo. Tempos depois, se tornou um lixão e, até hoje, é possível observar grandes pedras em sua borda, onde fica o estacionamento de um dos grandes mercados do Lauzane, o Bergamais, antigo Bergamini.

O famoso Trem da Cantareira também passou pela região, pelo ramal conhecido como “Ramal dos Menezes”, que terminavam na pedreira junto ao mesmo supermercado. Hoje, a R. Ramal dos Menezes, que corta o bairro, apresenta traçado idêntico ao traçado do antigo trecho que engatava com a antiga Estrada de Ferro Cantareira.

Atualmente, a região possui de tudo um pouco: de um grande shopping center à comércios familiares pequenos. Uma das grandes reinvindicações dos moradores, atualmente, é com relação à estrutura viária que, em muitas ocasiões, não suportam o tráfego diário de veículos do bairro.

37 thoughts on “O Bairro Suíço de São Paulo – A História do Lauzane Paulista

  1. SÃO TANTAS AS LEMBRANÇAS E MUITAS SÃO AS SAUDADES. MORO PERTO DO BERGAMAIS ANTES A PEDREIRA DESDE DE MAIO DE 1954. OU LAUZANE COMO EU TE AMO NÃO ME ADAPTARIA EM OUTRO LUGAR.

  2. Eu praticamente nasci neste bairro e não me envergonho de dizer que até então não conhecia sua história.hoje me sinto orgulhoso de ter morado neste bairro,hoje tão saudoso.

  3. Fiquei feliz em saber da história do bairro que escolhi pra morar. Acho interessante e necessário.
    Quanto a estrutura realmente esta muito ruim, esta precisando com urgência esta melhoria.

    Parabéns pela matéria!

  4. Nasci no Lausane, estudei no Marcos Melega, conheci o Bergamini, quando ainda era um mercadinho rsrs hoje, moro em Sorocaba, ha 20 anos, mas me orgulho de poder fazer parte desta historia!!!

  5. MOREI NOS ANOS 70 NO LAUZANE. CURTI MUITO AS CORRIDAS DE FIM DE ANO, QUE SAIAM DE FRENTE A PAROQUIA SANTO ANTONIO DO LAUZANE. ESTUDEI NO MARCOS MELEGA E DEPOIS NO CASTRO ALVES. EMPINAVA PIPA NO FAMOSO PASTÃO E AS VESES TOMAVA UM BANHO NA LAGOA DA PEDREIRA HOJE ATERRADA , ONDE SE LOCALIZA O BERGAMAIS.

  6. nossa fiquei muito feliz em historia do nosso bairro como ele nasceu,eu nasci elena do sacramento passei minha feliz infância ,casei fui morar em frente ao marcos melega escola q vi construir , vi o bergamais crescer trabalhei na creche santa Helena no qual o terreno foi doação da família savoy amo meu bairro ,moro ao lado da família popovic que muito lutaram pedindo melhorias p nosso bairro ,inclusise tem uma escola de educação infantil com o nome sava popovic em homenagem a famila ,,,

  7. moro no bairro ha 13 anos. houve progressos ; o Shopping Santana Park, Hiper Center Andorinha;
    Fabrica da Cultura.. Acho um charme morar no
    bairro que tem nomes de ruas de cidades da
    Suíça.

  8. Haaa falar do Lauzane……. tantas coisas vem em minha memoria , hoje com 46 anos de vida casado , Pai …
    de ter estudado no Marcos Melega rua Mont Blanc , 70
    Bergamini bem pequeno no antigo ponto final do ônibus
    das ruas sem asfalto , do dia da inauguração da iluminação publica ,da redes de esgosto em construção,
    a igreja Nossa Senhora de Fatima ainda uma capela na Coronel Manuel Py , das enchentes na Pedreira , a casa das Freiras onde se distribuía remédios para nós pobres onde hoje fica aqueles comércios colados na padaria ,locadora ,”shopinho” ….dos amigos que não são poucos

  9. Mudei para o Lauzane em 1972 , na rua Liestal. Morei até 1996 , hoje moro no Paraná, mas assim que tenho uma chance, faço uma visita, neste belo bairro , onde passei toda minha infância. saudades…

  10. Muito obrigado Lauzane. Moro neste bairro desde 1980 (maravilhosa infância). Muito obrigado Bergamais/Bergamini, Marcos Mélega e muitos outros. Att, Paulo Rogério

  11. Amo de paixão, estudei no castro Alves turna de 79, 7ºc turna de 79, saudades, moava na rua Helena do sacramento 418, que hoje não existe mais( o nº)

  12. Meu bairro querido morei 32 anos nele me orgulho passei otimos momentos com muita familia estudei no Marcos Melega ate hj vou visitar minha mae vejo as mudanças o progresso e as dificuldades que todo o bairro de grande estrutura necessita.

  13. Gostei de saber a historia do Bairro Lauzane Paulista. Cheguei no bairro em 1967 e saí casada para morar em Manaus. Meus familiares ainda residem lá. Hoje resido em Capela do Alto Sorocaba-SP. Um lindo e gostoso bairro para se morar. Gente fina!!!

  14. Nossa , nasci , cresci e me casei e ainda moro no Bairro a 49 anos e nao conhecia a verdadeira história do bairro muito interessante pois eu nadava na represa que tinha no bairro , quando a gente estava estudando e o pessoal da pedreira ia detonar as dinamites nos tinhamos que ir para nossas casas voava pedra para todos os lados …..
    Tinha vontade de ter uma página no Facebook com fotos e histórias assim do nosso bairro legal se alguém ficar não esqueça de me adicionar valeu Obrigado pela atitude cultural beijos

  15. CHEGUEI NO LAUZANE NO ANO DE 1964,MOREI NA RUA CEL. MANOEL PY E NA VALORBE.NA RUA CEL.MANOEL PY TINHA UMA GRANJA E TAMBEM UMA HORTA,PESQUEI NA LAGOA DO PRIOSTI E TAMBEM CAÇEI PREÁ NO BREJO DO SITIO DO SAVOY.SOU DO TEMPO DA PEDREIRA,QUANDO FOI DESATIVADO NADAMOS MUITO EM SEU LAGO. BOA EPOCA.HOJE MORO EM SUMARE PROXIMO DE CAMPINAS.

  16. Muito bom saber do nosso bairro e ler histórias parecidas….moro no bairro a 41 anos, morei 30 anos em uma travessa da Av, do Guaca, rua Benjamin Ferreira conhecida como Rua do Souza, aonde passei a melhor infância do mundo, soltei pipas com algumas lendas…Jarbas,Doriana, Veia e Waltão….soltei balão do meio da rua, joguei futebol em ladeiras, joguei no Lauzane inúmeras vezes…estudei 14 anos no Castro Alves, fiz muitas amizades que se perpetuam até hoje, fiz minha primeira comunhão, me crismei e casei na igreja Santo Antônio do Lauzane… hoje moro em uma travessa da conselheiro Moreira de Barros…. amo este bairro, aqui nasci e e se Deus quiser morrerei por aqui…obrigado Lauzane.

  17. Lauzanne,morava na Valorbe que se chamava de Rua Berna onde só tinha chácaras,e onde e o clube escola no bairro dos bancários era um hospital.

  18. Eai eu nanci na Rua tarquinio de Souza numero 94 fiquei um bom tempo no Imrim quando casei agora estou de volta no mesmo endereço vc deve ser meu amigo de infãncia pois eu estudei no castro alves .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *