O Berço da Independência – O Bairro do Ipiranga

Na próxima segunda, dia 7 de setembro, o país comemorará, novamente, a Independência do Brasil. A histórica data tem tudo a ver com a cidade de São Paulo e, mais especificamente, com o nosso bairro do Ipiranga, região tão amada e frequentada pelos paulistanos. A história do bairro começa muito antes do ano de 1822, quando D. Pedro proclamou a Independência do País às margens do então Ribeirão do Ipiranga. O local, primeiramente, era composto por povoamentos dos índios Guaianazes.

Essa tribo foi a responsável por erguer suas casas entre o Ribeirão de Guapituva e a aldeia do famoso Cacique Tibiriçá. Eles, então, nomearam a região como Ypiranga que, em tupi-guarani, é traduzido como “água barrenta” ou “água vermelha”. Com a chegada do homem branco, os Guaianazes foram expulsos para outras regiões e possibilitou a expansão territorial do Ipiranga que, no final do século XVI, já contava com 1.500 habitantes, espalhados entre chácaras, sítios e pequenas fazendas.

A Importância da Imigração

Um segundo momento muito importante do bairro se deu com a chegada de imigrantes, que desembarcavam no Porto de Santos e vinham para a Hospedaria dos Imigrantes, no Brás, onde começavam a procura por empregos.

Vários desses imigrantes, por não conseguir emprego nas fazendas de café, começaram a trabalhar com atividades locais próximos e o bairro, que antes servia como uma parada dos viajantes que percorriam o Caminho do Mar, começou a se transformar, socialmente falando.

A partir de 1875, indústrias começaram a ser instaladas na região e os bairros operários começaram a se expandir. Os empregos, por sua vez, eram gerados de vários modos diferentes. Alguns imigrantes trabalhavam nas Oficinas Gerais da Light, que surgiram com a instalação do bonde elétrico em 1900; e outros começavam a viver de suas habilidades manuais oriundas de seus países de origem. O Ipiranga do fim do século XIX e do começo do século XX era recheado de sapateiros, barbeiros, cesteiros, fotógrafos, costureiras, mascates e comerciantes ambulantes.

Para se ter uma ideia de como essa integração foi importante para o desenvolvimento do bairro como o conhecemos hoje, é preciso conhecer um pouco mais das interrelações que ocorreram no fim do século XIX. O espanhol Pedro Stebal tornou-se, em 1888, o primeiro corretor de imóveis de do bairro.

Panorama do bairro do Ipiranga
Panorama do bairro do Ipiranga

Anos depois, Giuseppe Dante chega ao Ipiranga para morar na Casa do Grito e trabalhar como comerciante, carvoeiro, fabricante de vassouras e, o mais importante de tudo, fornecedor de areia para as construções do Museu Paulista. Anos depois, em 1895, outro importante italiano chegaria à região: o Padre José Marchetii, que fundou o “Orphanato Christovam Colombo”.

As primeiras escolas particulares do bairro foram, inclusive, fundadas por estrangeiros na última década do século XIX: “Bom Pastor”(1893), “Asylo de Meninas Orphãs Nossa Senhora Auxiliadora” (1896), “Centro Ipiranga” (1910-1936) e Colégio da Sagrada Família (1912).  Além disso, outras importantes instituições também foram fundadas na região, como: o “Flor do Ypiranga” foi fundado logo após a chegada de Caetano de Domenico no bairro do Grito, em 1913 e o Vila Independência” e o “Silez F.C”. O CAY (Clube Atlético Ipiranga) foi fundado em 1906, transferindo-se da Água Branca e instalando-se no “Sacoman” no final rua Bom Pastor.

Armazém da Rua do Manifesto, no bairro do Ipiranga, em São Paulo, onde a Volkswagen do Brasil iniciou operações em 1953
Armazém da Rua do Manifesto, no bairro do Ipiranga, em São Paulo, onde a Volkswagen do Brasil iniciou operações em 1953

O primeiro meio de transporte coletivo da região foi o bonde a burro. Criado no ano de 1871 pelo engenheiro Nicolau Rodrigo França Leite, a inovação chegou ao Ipiranga em 1889 devido à grande influência do Doutor José Vicente de Azevedo. Vale a curiosidade que, para que os bondes fossem capazes de transportar as pessoas do Cambuci ao Ipiranga, foi necessário o aterramento de parte da Rua Independência. Anos depois, em 1904, foram inauguradas as linhas elétricas que funcionaram até 1967.

Os Grandes Da Industrialização

Outro ponto importante do bairro e que não pode ser esquecido é com relação à industrialização que aconteceu por ali durante várias décadas. Se a região foi conhecida assim durante muito tempo, duas famílias merecem grande destaque: os Jafet e os Samarone. A primeira família foi a grande responsável por unidades têxteis na região e a segunda trouxe a cerâmica ao Ipiranga.  Essas duas famílias, juntas, geraram mais de 10 mil empregos diretos para o bairro e ajudaram a estrutura a região como a conhecemos hoje.

O Hino do Ipiranga

Oficializado em 22/11/2004

Letra: Mauro Dall’Acqua

Música: Jose Roberto Palomino

Ipiranga, berço do Brasil

Onde o sol da liberdade despontou

Despertando a nação pra sua glória

Da Colina um brado heróico ecoou. (Bis)

No caminho para o mar, tu és passagem

Sob a sombra da figueira as despedidas

És altar de um povo religioso

Tens a força e o migrante tu abrigas.

Oh, meu Ipiranga

Meu coração bate por ti

Nestes versos eternizo

A grandeza deste bairro onde eu vivo.

Teus museus contam nossa história

Tuas obras são monumentais

Dos destinos do país és a partida

Patrimônio secular tu és memória. (Bis)

Chão amado, porta da cultura.

Tuas ruas nos recordam grandes vultos

Do passado ao presente és cantado

Solo fértil, és tão belo, és pintura.

2 comentários em “O Berço da Independência – O Bairro do Ipiranga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *