Um Rio Escondido em SP: O Saracura

A estrutura da nossa cidade foi extremamente modificada durante os mais 460 anos em que nossos ancestrais passaram por aqui. Nós, enquanto cidadãos e moradores, também ajudamos nessas alterações metropolitanas. Mas até que ponto mexer com a natureza é benéfico para o nosso convívio e para evitar alguns acidentes? Um dos temas mais discutidos dos últimos tempos foi, sem sombra de dúvidas, a questão da falta de água e do grande racionamento pelo qual nosso estado passou. Mas será que precisaríamos passar por tudo isso se cuidássemos melhor dos nossos rios?

Buscando informar e resgatar a memória de tudo que conhecemos, começamos a pesquisar sobre os rios que foram canalizados e soterrados pela nossa cidade. O nossos resgate começará, hoje, pelo Córrego do Saracura (nome que homenageia um pássaro), riacho que nasce próximo ao MASP, na Avenida Paulista. Segundo um bom documentário feito pela Folha de S. Paulo,  a região da Avenida Paulista é o grande divisor de águas entre as bacias do Rio Pinheiros e do Rio Tietê. O vale, localizado atrás do MASP, é por onde corre o Rio Saracura, um dos córregos formadores do Rio Anhangabaú.

Esse córrego é um dos muitos escondidos de SP, nascendo atrás do Maksoud Plaza, a duas quadras da Avenida Paulista. A mais famosa avenida, aliás, é o berço de quase todos os rios da nossa cidade. Os que nascem do lado dos Jardins desaguam no Rio Pinheiros. Os que brotam do lado da Bela Vista desembocam no Tietê. Deste lado está a Ribeirão Preto onde na altura do número 529 existe um desses espaços de céu aberto.

O Vale do Saracura, registrado pelas lentes de Vincenzo Pastore, em 1910
O Vale do Saracura, registrado pelas lentes de Vincenzo Pastore, em 1910

Não sei se ainda é possível encontrar essa nascente, mas há alguns anos, era possível ver o Saracura seguindo as  curvas da Alameda Campinas e da Rua Dr. Seng. No fim desta rua havia um beco, vegetação abundante, umidade e taiobas, um tipo de planta que só cresce em terrenos com água o ano inteiro.

É sob a Cardeal Leme que corre o Saracura.  Um dos símbolos da Vai-Vai é justamente a saracura, ave de pernas finas abundante naquela região por volta de 1920, quando o asfalto ainda não tinha engolido o ribeirão. A saracura deu nome ao córrego, aos moradores do Bexiga e virou personagem de diversos sambas, como Tradição, de Geraldo Filme:

O samba não levanta mais poeira

Asfalto hoje cobriu o nosso chão

Lembrança eu tenho da Saracura

Saudade tenho do nosso cordão.

Quem nunca viu o samba amanhecer

vai no Bexiga pra ver, vai no Bexiga pra ver.

Estima-se que o Saracura tenha mais de dois metros de largura e que ganhe um grande fôlego ao encontrar o Itororó, na altura da Praça da Bandeira e o Bixiga, que vem da Rua Japurá, formando o Anhangabaú.  Os três seguem juntos pela Rua Carlos de Souza Nazaré, ao lado da 25 de Março, até desembocarem no Tamanduateí, o rio – esse sim um riozão – que acompanha a Avenida do Estado.

Vale do Saracura em foto que deve ter sido feita entre 1910 e 1920. Fonte: Agência USP de Notícias
Vale do Saracura em foto que deve ter sido feita entre 1910 e 1920. Fonte: Agência USP de Notícias

Embora não seja “tamponado”, como são chamados os rios cobertos, as muretas nas laterais fazem com que poucas pessoas saibam que naquela avenida feia e cinza corre um dos rios mais importantes da cidade. Quando o Saracura chega ao Tamanduateí, suas águas jorram tão feias e cinzentas quanto a Avenida do Estado.

http://veja.abril.com.br/brasil/tem-um-rio-no-meio-do-caminho/

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/03/1247524-a-cinza-e-arida-sao-paulo-esconde-a-historia-de-300-cursos-de-rios.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/04/1439998-conheca-a-historia-do-rio-saracura.shtml

9 thoughts on “Um Rio Escondido em SP: O Saracura

  • 30 de junho de 2017 em 12:36
    Permalink

    Quando os córregos inundavam, e as águas entravam nas casas das pessoas, todo mundo reclamava. Tapá-los foi uma solução.

    Resposta
    • 15 de janeiro de 2021 em 08:26
      Permalink

      O rio segue seu caminho mesmo canalizado, a água sempre vai passar no mesmo lugar apesar dia obstáculos

      Resposta
  • 30 de junho de 2017 em 17:04
    Permalink

    Lamento discordar da descrição da localização da nascente e do percurso do Córrego Saracura. Vejamos: 1. Em muitas fotos antigas de São Paulo, tomadas atrás do antigo Belvedere do Trianon (hoje MASP), antes da abertura da Av. 9 de Julho, deslumbrava-se um vale, sempre denominado “vale do Saracura”. Ou seja, esse vale não é o vale descrito, que começa no fim da Al. Campinas e inicio da R. Rocha. 2. O mapa de Alexandre Cocucci & Fructuoso Costa, de 1913 (http://smul.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/img/mapas/1913.jpg), mostra claramente o traçado de um riacho nascendo atrás do atual Masp, e descendo pelo vale (do Saracura). Do lado direito, o mapa mostra um “caminho do Saracura”. Para mim, esse é o Saracura. 3. O mesmo mapa mostra, no fim da Alameda Campinas e inicio da R. Rocha, o inicio de um outro riacho, que corre pelo vale desta rua, unindo-se ao Saracura na altura de onde hoje é a Praça 14bis. Ao lado direito deste aparece também uma indicação “caminho do Saracura”. 4. Para mim é claro que o Saracura é o riacho que nasce atrás do Masp e percorre o vale que leva seu nome. O outro é um riacho que nasce numa outra vertente e se encontra com o Saracura mais adiante.

    Resposta
    • 26 de fevereiro de 2019 em 23:43
      Permalink

      O Saracura Grande está sob a av 9 de Julho….a nascente do córrego Saracura Pequeno está entre a al Ribeirão Preto e a rua Garcia Fernandes, praticamente no inicio da rua Rocha, descendo por esta última, atravessando a rua Una e indo pela Rua Cardeal Leme até desaguar no Saracura Grande sob a praça 14 Bis

      Resposta
  • 2 de julho de 2017 em 13:13
    Permalink

    Excelente avivamento de histórico rio contribuinte do sistema Tamanduateí-Tietê. Foi muito comentado pelo saudoso prefeito Faria Lima quando decidiu encarar a canalização do córrego Itororó e realizar o desafiante projeto da Av. 23 de Maio/Ruben Berta.Isto, com vistas ao progresso da zona sul da Capital. As novas gerações devem tomar conhecimento do passado urbano de Piratininga até nossos dias para entender a nobreza dos que sonharam em desenvolver e dar dignidade à intrépida Cidade de São Paulo,iniciada a partir da escola dos meninos do santo padre José de Anchieta.

    Resposta
    • 18 de agosto de 2021 em 17:11
      Permalink

      verdade mas ao mesmo tempo nos deixaram enchentes interminaveis

      Resposta
  • Pingback: Expedição pelas nascentes do Rio Saracura – Existe Água em SP

  • 18 de agosto de 2021 em 10:09
    Permalink

    Estive a anos atrás, fazendo trabalho, pela Empresa em que eu prestava serviços, de levantamento da estrutura do Córrego Saracura, sob. a Av. 9 de Julho, pelo fato de estar com recalques em sua pavimentação. O mesmo se encontra até hoje, em forma de galeria com estrutura metálica tipo “Armco”. Estava com vazamentos comprometendo o solo (motivo dos recalques) e foram feitas obras de reforços dentro do mesmo. O que nos chocou, foi a quantidade enorme de descargas de esgotos clandestinas no mesmo.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *