O primeiro congestionamento de SP: a inauguração do Theatro Municipal

Ficar mais de meia hora, uma hora no trânsito nos dias de hoje é mais do que comum para grande parte da população de São Paulo. O problema do trânsito, acreditem, tem quase 100 anos na cidade.

O primeiro congestionamento de São Paulo teve uma cobertura bastante simples: ele aconteceu no dia 12 de setembro de 1911, quando foi inaugurado um dos símbolos da cidade, o Theatro Municipal de São Paulo.

Inauguração do Theatro Municipal em 1911

Segundo um relato do jornal Folha de S. Paulo, na época, a cidade contava com 300 carros registrados e, na inauguração do Theatro, 100 deles foram à ópera Hamlet naquela noite.

O jornal ainda destaca que o trânsito parou as ruas Barão de Itapetininga e Xavier de Toledo, levando a lentidão até a Praça da República.

O escritor Jorge Americano, que morava em Santa Cecília assistiu a esse primeiro espetáculo e nos deixou o seu testemunho:

“As oito o landau estava parado na nossa porta. Vinte mil reis para levar, esperar e trazer. O cocheiro disse que a coisa estava ruim para ir até lá. Atingimos a Praça da República às oito e meia. Quando fomos entrando pela rua Barão de Itapetininga tudo parou. Chegamos ao Municipal às 10 e 15, no começo do segundo ato. Mas ninguém teve a iniciativa de descer e seguir a pé. Seria escandaloso.”

O início do espetáculo atrasou e a ópera Hamlet não chegou até o final. O último ato foi suprimido em razão do horário. Na saída, o trânsito parou novamente e Jorge Americano nos conta que chegou em casa as duas e meia da madrugada.

Referências: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1303201101.htm

http://culturafm.cmais.com.br/lembrancas-de-sao-paulo/o-primeiro-congestionamento

Um comentário em “O primeiro congestionamento de SP: a inauguração do Theatro Municipal

  • 10 de janeiro de 2020 em 10:01
    Permalink

    morei no bairro Sta. Cecilia por 08 anos (entre 1961 e 1969) e ia a pé ver os jogos no estadio do Pacaembu.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *