O Jacaré do Rio Tietê – A História do Teimoso

A cidade de São Paulo já teve de tudo: satélites expostos no centro, rinoceronte vereador e, por incrível que pareça, também teve um jacaré na Marginal Tietê. Esse evento aconteceu em meados de 1992, quando uma movimentação estranha atraiu a atenção dos moradores da zona norte.

Por mais incrível que possa parecer, um jacaré de papo amarelo apareceu entre as pontes da Vila Maria e da Vila Guilherme, resultando em uma chamada única para os bombeiros da nossa cidade. O grande problema foi que a corporação chegou, atestou que o animal estava por ali, mas não conseguiu captura-lo. A partir de então, começava a aventura de conseguir resgatar o jacaré, que ganhou o apelido de Teimoso, com o passar do tempo.

Curisosos pararam o trânsito na marginal para acompanhar a caça ao jacaré
Curisosos pararam o trânsito na marginal para acompanhar a caça ao jacaré

Os bombeiros tentaram, de várias maneiras, fazer o resgate, mas todos fracassaram. Os profissionais se desculpavam, alegando que não estavam acostumados com tal serviço, mas os constantes erros acabaram constrangendo a equipe.

Uma semana depois do “cerco”, na terceira investida, os bombeiros cercaram o Teimoso que, acuado na margem direita do Tietê por dois oficiais que estavam em um barco, um time de bombeiros em terra e uma rede de quarenta metros, ele parecia não ter para onde ir. No entanto, nesse momento, apareceu um helicóptero que assustou o jacaré, que conseguiu fugir por baixo da rede.

A caça ao Teimoso demorou dois meses para ser resolvida. Somente em uma operação arquitetada pela Polícia Florestal, a Guarda Metropolitana e o Corpo de Bombeiros, foi que o jacaré acabou capturado no Rio Pinheiros.

No momento da captura, entretanto, não se sabia se era Teimoso ou não, mas seu tamanho, coloração e  formato deixaram poucas dúvidas. Junto a ele, inclusive, foram capturados outros sete jacarés que acabaram levados ao Parque Ecológico do Tietê. Logo depois da captura, o cabo da Polícia Florestal, Mário Leme, fez questão de deixar claro que foram eles quem capturaram e resumiu da seguinte forma:  “O jacaré foi pego com a nossa rede”.

Depois de 2 meses de buscas, Teimoso foi capturado e levado para o zoológico.
Depois de 2 meses de buscas, Teimoso foi capturado e levado para o zoológico.

Embora o caso tenha repercutido muito na época, até hoje não se sabe como os jacarés foram parar lá. A versão mais aceita e mais provável é a de que ele era criado em cativeiro e acabou solto pelo dono.

Vale dizer que o Teimoso sobreviveu em um trecho do rio em que a taxa de oxigênio era de menos de um miligrama por litro de água, o que a torna altamente poluída. Apesar disso, ele sobreviveu às condições por meses, o que honra seu apelido.

O jacaré, que é uma espécie típica da América do Sul, encontra-se agora em área tranquila e segura para sua moradia dentro do PET (Parque Ecológico do Tietê), localizado na Zona Leste de São Paulo. Quem quiser, pode visitá-lo durante as atividades ecológicas pelas trilhas que a administração do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) promove, sempre com agendamento antecipado.

O teimoso em sua nova casa
O teimoso em sua nova casa

Referências: http://www.daee.sp.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=764:jacare-de-especie-rara-vive-em-parque-do-daee&catid=48:noticias&Itemid=53

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,ha-25-anos–jacare-teimoso-parava-a-marginal-tiete,1794096 

Um comentário em “O Jacaré do Rio Tietê – A História do Teimoso

  • 17 de fevereiro de 2017 a 13:02
    Permalink

    Muito boa a história, eu acompanhei, mas é 1990 ou 1992?
    Sds rodolfo

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d blogueiros gostam disto: