A história da Vila Maria e o loteamento do Sítio Bela Vista

O bairro da Vila Maria é centenário. Fundado (ou criado) em 17 de janeiro de 1917, ele é resultado do loteamento do Sítio Bela Vista pela Companhia Paulista de Terrenos. É importante lembrar que no começo do século XX, a várzea do Rio Tietê era um local de poucas obras, pouco interesse e difícil fixação.

Assim, para atrair pessoas interessadas e urbanizar a região, a Cia. Paulista de Terrenos chegava a oferecer tijolos e telhas para os novos habitantes do local. Quanto antes a Vila Maria fosse urbanizada, melhor.

Vale a curiosidade de que, segundo a Prefeitura de São Paulo, o nome Vila Maria foi dado em homenagem a um dos proprietários dessa empresa que loteou a região. As próprias ruas do bairro receberam os nomes dos diretores e corretores da Companhia Paulista de Terrenos, como Guilherme Cotching, Thomaz Speers, Antônio da Silva e Eugênio de Freitas.

Roberto Pompeu de Toledo escreveu em uma de suas obras mais famosas, A Capital da Vertigem, que o bairro tem origem no “irresponsável loteamento de um sítio em plena várzea. A venda de terrenos iria causar aos compradores, oriundos das camadas mais pobres da população, anos de sofrimento”.

Foto de 1928 mostra serviço de transporte aquático improvisado, depois de enchente na Vila Maria

Sua análise não é de todo errada, tendo em vista que o loteamento veio antes da ponte, que ligava o bairro ao outro lado do Tietê. A primeira versão desse instrumento era de madeira e foi construído em 1918. Antes da chegada dessa ponte, era comum que os moradores da região tivessem barcos para fugir das inundações e que pescassem no limpo Rio Tietê.

Os portugueses tiveram importante contribuição para a formação da Vila Maria. Mas não foram os únicos. Tal como no Brasil, o bairro é multinacional, sendo palco até mesmo de uma colônia de imigrantes húngaros. Voltando à história do bairro, após a chegada da ponte, várias modernidades fizeram parte da história da Vila Maria.

Ponte do bairro da Vila Maria, em 1956

Entre 1922 e 1923, chega a energia elétrica e os bondes elétricos à região e é erguida a primeira igreja da Vila Maria: a  Nossa Senhora dos Navegantes. A paróquia mais famosa do bairro, a Nossa Senhora da Candelária, foi erguida anos depois, em 1933.

Por fim, uma das maiores tradições do bairro, a Unidos da Vila Maria, surgiu em 1954, e se tornou uma referência, tanto no carnaval de São Paulo quanto na vida social do bairro. Esse ponto aliás, ganha melhorias a cada dia, com modernizações, passeios e comércios tradicionais que resistem ao tempo e mantém suas tradições.

Vale lembrar também que o bairro foi um dos mais fiéis redutos eleitorais de ninguém menos do que Jânio Quadros, famoso político com carreira nacional.

Na foto, que data de dezembro de 1956, operários trabalham em obras de ligação dos trilhos do bonde da Rua Catumbí com a Rua Jequitinhonha, na Vila Maria

Referência: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/vila_maria_vila_guilherme/historico/

12 thoughts on “A história da Vila Maria e o loteamento do Sítio Bela Vista

  • 28 de setembro de 2021 em 15:43
    Permalink

    sou adepto de fotos antigas principalmente lembranças são paulo que me acolhe desde de decada 70 !!

    Resposta
  • 21 de outubro de 2021 em 01:41
    Permalink

    Vcs sabiam que a Maria foi a namorada do Guilherme nesta época?

    Resposta
  • 21 de outubro de 2021 em 02:05
    Permalink

    Vcs sabiam que a Maria foi a namorada do Guilherme Prates nesta época? Ele foi um dos proprietaios daquela várzea e saltava no Club de trote do Tiete.

    Resposta
  • 23 de outubro de 2021 em 03:28
    Permalink

    Fui criado na Vila Maria, quando cheguei da cidade de Lins com sete anos em 1958, atravessamos a ponte de madeira de táxi, estava chovendo e a água barrenta do Rio Tietê estava quase chegando na ponte, depois morei no Alto da Vila Maria até os 18 anos, hoje moro em Santo André no ABC Paulista.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2021 em 10:22
    Permalink

    nasci na vila maria e em casa na rua andaraí 1435.

    Resposta
    • 26 de dezembro de 2021 em 16:53
      Permalink

      Eu cheguei na vila Maria 1951 vinda da cidade de Jaguariúna morei na rua Silvio Leandro ,depois meu pai comprou um terreno da companhia Paulista de terrenos e MORO até hoje neste bairro maravilhoso onde não tinha asfalto bem água encanada era chácaras que as pessoas tinham plantava verduras e vendia, depois. Jânio quadros deu um olhar para este bairro e fez grandes melhorias, hoje estou nesta mesma rua a 64 anos e sou feliz aqui Praça da alegria

      Resposta
  • 24 de dezembro de 2021 em 20:37
    Permalink

    Só uma correção: a Rua Catumbi esquina com Rua Jequitinhonha não fica na Vila Maria. Fica no Bairro do Catumbi, do outro lado do Rio Tietê. A Rua Catumbi começa na Avenida Celso Garcia e termina próximo ao Rio Tietê.

    Resposta
  • 26 de dezembro de 2021 em 17:40
    Permalink

    Morei com minha avó na rua Timburi, em 1967 eu era crianca, estudei na escola estadual Horácio Lafer, não sei se ainda e este nome. Minha trabalhava na fábrica camelo. Saudades…

    Resposta
    • 8 de março de 2022 em 13:59
      Permalink

      Ola Ane, eu nasci e moro até hoje na Rua Timburi , em 1967 eu tinha uns 4 anos

      Resposta
  • 27 de dezembro de 2021 em 18:49
    Permalink

    Nasci no acampamento da Companhia Paulista de Terreno. Meu trabalhava na Companhia.

    Resposta
    • 27 de dezembro de 2021 em 18:51
      Permalink

      Meu pai trabalhava na Companhia

      Resposta
  • 3 de março de 2022 em 00:37
    Permalink

    Nasci na rua Osaka e mudei para rua Mussumes com 6 anos estudei no Sion quando era as freiras que administrava, estudei também no industrial na rua Alcântara e no Horácio Lafer, tenho 60 anos e até hoje estou nesse bairro Maravilhoso

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.