Os doces do Canindé: o charme e o sabor da Bela Vista

Uma das empresas que mais tem lembranças “gostosas” por São Paulo é a Biscoitos Bela Vista. O nome, inclusive, vem do bairro homônimo, onde a confeitaria, percursora dos biscoitos, começou a funcionar no ano de 1915, sob a batuta de Nicola Infante.

No começo, os doces eram transportados por carroças, que levavam rapaduras, caramelos e outros doces caseiros para as (quase) extintas mercearias.

Entre os vendedores, havia Joaquim Maria de Almeida, que se destacava no exercício da função. Com o passar do tempo, Joaquim juntou algum dinheiro e, com dois amigos, comprou a fábrica Bela Vista em 1938. Mais de 30 anos depois, em 1969, comprou as partes dos outros sócios e seguiu como único dono da empresa.

Joaquim Maria de Almeida em 1936

Na década de 40, a empresa mudou de endereço. Saindo da Bela Vista para o Canindé. Curiosamente, o bairro foi muito receptivo para empresas do segmento alimentício, sendo conhecido, por algum tempo, como “bairro doce”. A Bela Vista é a única que se mantém na região até os dias de hoje.

Registro da Fábrica da Bela Vista em 1940

Uma marca da empresa eram seus furgões verdes. Os veículos eram Chevrolet ou Mercedes e com o logo bastante grande exposto na lateral. Como um amante de miniaturas de carros, queria muito um desses na escala 1:64…rs.

A empresa financiava os caminhões e os oferecia para os funcionários que, com seu trabalho, pagava o veículo. Uma das maneiras de aumentar as vendas era a de oferecer esse veículo para o funcionário que ia para outros estados oferecer os produtos. Uma venda direta mesmo que, no fim dos anos 60, deu muito certo.

Funcionários da fábrica em 1950

Até os anos 80, a frota de veículos verde circulou pelo país. Nos anos 90, a frota foi alterada para caminhões que circulavam com a marca Tuc’s, que atualmente, é o carro chefe da empresa que se reinventou nos mais de 100 anos de vida. Os doces, aos poucos, foram substituídos por biscoitos que também “pegaram”, digamos assim.

Link de referênciahttps://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/05/21/bela-vista-100-larga-maria-mole-suspiro-e-furgao-e-agora-so-faz-biscoito.htm

One thought on “Os doces do Canindé: o charme e o sabor da Bela Vista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *