A escola americana: a história da Chácara Lane e do gabinete do desenho

O imóvel que abriga a atual Gabinete do Desenho, na Rua da Consolação – 1024, tem uma curiosa história de surgimento. Aquele casarão é fruto do esforço do missionário presbiteriano americano George Chamberlain e sua mulher, Mary Annesley. Os dois, juntos, fundaram uma pequena instituição que, mais tarde, ficou conhecida como “escola americana”, em 1870.

A fundação dessa escola em 1870 é a realização de um sonho. É possível encontrar registros de George Chamberlain oferecendo seus serviços para dar aulas de “inglez”. O professor oferecia essas aulas em sua casa, na Rua São José, nº 36 e também se dispunha a ensinar crianças, pais de família e colocava seu conhecimento à disposição de escolas interessadas.

Prenúncio da Escola Americana no Correio Paulistano, em 1865

Anos depois, como citado, Chamberlain e sua esposa conseguiram fundar uma pequena escola. Com o aumento dos alunos e a necessidade de mais espaço, os dois levaram as instalações da Escola Americana para o bairro de Higienópolis. Essa escola foi a precursora do Mackenzie, universidade reconhecida e respeitada em todo o Brasil.

Mesmo levando essa instituição para lá, o imóvel da chácara continuou em posse da família. No ano de 1906, pouco depois do falecimento de Chamberlain, sua viúva Mary Annesley , decidiu vender a casa.

O comprador? Dr. Lauriston Job Lane, filho de Horácio Lane, então diretor da Escola Americana. Vale o registro que ele empresta seu nome a uma rua na Vila Madalena. Durante 37 anos, a família Lane viveu por lá, com o cultivo de palmeiras gigantescas e as crianças brincando pelos quintais.

Uma foto interessante da Rua Visconde de Ouro Preto. Ao fundo a Rua da Consolação e o muro da Chácara Lane e do Mackenzie, 1970.

Em 1943, um ano depois da morte de Job Lane, o casarão foi declarado propriedade de utilidade pública pela Prefeitura. Desde então, ele foi utilizado para diversos fins: escola de educação infantil (embrião da atual Escola Municipal de Educação Infantil Gabriel Prestes), funcionou em regime de comodato por um tempo pelo Mackenzie, serviu para acervo do Arquivo Histórico Municipal (atual Arquivo Histórico de São Paulo) e abrigou a Biblioteca Circulante da Secretaria Municipal de Cultura (que depois foi transferida para a Biblioteca Mário de Andrade, em 2008).

Chácara Lane em 1970

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *